Reader Comments

Emagrecendo Com Legumes

"Paulo Henrique" (2018-06-19)

In response to villa di puncak
 |  Post Reply

Que a participação feminina na corrida de via cresce a passos largos toda humanidade já entende. Mas são passos tão largos quanto os dos homens? E por que elas ainda sofrem mais, se machucam mais e não podem competir pela mesma velocidade que eles?


A resposta está diretamente ligada a dúvidas hormonais (a presença do hormônio sexual masculino, testosterona) e fisiológicas (o tamanho do organismo e a composição corporal). A mulher produz 85 por cento menos testosterona (principal hormônio referente à geração de potência) que o homem.


Com menos músculos, as mulheres são, sim, mais fracas que os homens. Como sabemos que a produção de potência de uma mesma quantidade de músculo não difere significativamente entre pessoas dos dois sexos, chegamos à conclusão de que a força depende bem mais de quantidade do que de peculiaridade.


  1. Consuma Carboidratos De Miúdo Índice Glicêmico

  2. De proteína

  3. Troque a gordura animal por vegetal e consuma com nossa fonte moderação

  4. cinco- Corte o glúten

  5. 250 ml de água de coco

  6. Exercícios faciais: Existem muitos exercícios que são capazes de ajudar a retardar o seu aparecimento

  7. Sorvetes e balas

  8. 1 dia de descanso

blog

Ou seja, quanto mais massa muscular, mais potência e superior experiência de gerar trabalho", explica Naves. TENHO JOELHO EM X, E Nesta hora? O médico reforça a tese elaborada em 1991 pelo fisiologista sul-africano Tim Nokes, que diz que corredoras de elite carregam proporcionalmente 5 kg a mais de gordura e três kg a menos de tecido muscular que os homens.


Fisiológica e hormonalmente os 2 são, sim, diferentes", declara Silvana Vertematti, cardiologista e médica do esporte do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos. Porém isso não isto é que as mulheres e o homens devem ter treinos diferentes. O treinamento podes ser o mesmo, o que muda é a intensidade. Um outro recinto divertido que eu gosto e cita-se sobre o mesmo tema desse blog é o web site nossa fonte. Talvez você goste de ler mais sobre o assunto nele.


Não param por aí as diferenças. A mulher tem menos força que o homem, entre 54% e 80%, dependendo do grupo muscular. Tem assim como pernas mais curtas, o que se reflete na passada menor. Esses fatores explicam por que os homens correm em torno de 10 por cento muito rapidamente que as mulheres", acredita a nutricionista Fabiana Honda, da PB Consultoria em Nutrição. Em média, elas são dez a quinze cm menores, pesam entre dez e vinte kg menos que os homens e necessitam de menos calorias", explica Fabiana.


Além disso, têm um metabolismo basal por volta de 10 por cento pequeno e uma parcela de gordura 10% superior, em torno de, que a dos homens. Não. Biomecanicamente, as mulheres assim como agem de forma diferente, pelo motivo de possuem membros mais curtos nossa fonte e superfícies articulares pequenos, o que diminui a potência. Além disso, os ligamentos são mais frouxos, os quadris mais largos e os músculos vasto medial oblíquo e os abdutores mais fracos.


Esses fatores combinados conseguem predispor a lesões pela coluna, quadris, tornozelos, pés e joelhos", avalia Naves. No geral, as mulheres têm maior mobilidade, sempre que os homens têm mais potência. Isso acontece pelo motivo de elas têm ligamentos e músculos mais elásticos e flexíveis, devido à menor densidade dos tecidos musculares.


Daí surgem as diferenças de desempenho de acordo com as exigências de cada esporte", diz Fabiana. De acordo com uma procura da Corpore publicada há 5 anos, 25 por cento das corredoras apresentam perda de urina durante uma corrida e treze por cento durante os treinamentos.


A ginecologista do esporte Tathiana Parmigiano, do Hospital HCor, aconselha que toda mulher corredora fortaleça a musculatura do assoalho pélvico. Trata-se da musculatura responsável por dar sustentação aos órgãos pélvicos — útero, bexiga e intestino —, reunir o encontro e assegurar a continência fecal e urinária", justifica. Na avaliação da médica, aproximadamente 50 por cento das atletas apresentam queixas de incontinência urinária, periodicamente subestimadas, entretanto que conseguem levá-las a abandonar o esporte.



Add comment